Cadu Tenório
‘Waifu’
digital, 2020

Cadu Tenório “Waifu” digital Brava Edição #17, 2020

Cadu Tenório “Waifu”
digital
Brava Edição #17, 2020

produzido, gravado e mixado por Cadu Tenório
masterizado por Emygdio
arte de Daniel Semanas
produção geral: Cadu Tenório e Brava Edições


Apenas observe. Os olhos brilhando, cores reconfortantes, agora ouça a voz. Sorria e será tragado, relaxe… mas preste atenção:

Os gatos sabem! E não só eles. Vai esfriar muito lá embaixo, テキトー. Babel/Infocalipse:

iceberg-core.

“Waifu” é um disco.

Também é a materialização de um desejo antigo de Cadu Tenório.

Ainda imerso em reminiscências de passados que não voltam e com a percepção da passagem do tempo cada vez mais deturpada, o artista resolve finalizar outro capítulo de sua epopéia digital em torno de afetos líquidos e superfícies virais que ocultam infinitos – antes que seja tarde.

Submergir pode ser a única saída plausível após contemplar o monumento caleidoscópico. Água escorre pelos ouvidos (e através deles), olhos tentam acompanhar o trajeto sinuoso de gotas espremidas contra o vidro. Eles embaçam. Relações se reconfiguram após a revelação. 1 e 0. Infectado? Amparado por centenas de horas oscilando entre Jocy de Oliveira, ambient japonês, um vício condenável em ASMR, card games, fighting games, jrpgs, soulslikes, metroidvanias, hack’n slash (combo MAD oriented), visual novels, roguelikes, Gibson, Stephenson e córneas deteriorando-se. Memória muscular e confusão entre histórias mixadas e distorcidas.