Radio Diaspora

Bateria e trompete, instrumentos seminais da tradição negra na música, são as chaves da sonoridade do Radio Diaspora. Na fusão entre fonogramas e samplers com a energia sonora do free jazz, o duo desenvolve sua música bebendo dos códigos musicais presentes na rica herança da diáspora africana.

Radio Diaspora

foto de Marcello Vitorino com montagem de Romulo Alexis

Bateria e trompete, instrumentos seminais da tradição negra na música, são as chaves da sonoridade do Radio Diaspora, duo formado por Wagner Ramos (bateria e eletrônicos) e Romulo Alexis (trompete, flautas, voz e efeitos). Na fusão entre fonogramas e samplers com a energia sonora do free jazz, Radio Diaspora desenvolve sua música bebendo dos códigos musicais presentes na rica herança da diáspora africana.

Em meados de 2015 Romulo Alexis e Wagner Ramos se uniram com o intuito de pesquisar uma identidade afro na música de improvisação livre. Neste processo surgiram experiências que apoiadas em objetos sonoros, camadas eletrônicas e digitais consolidaram-se como uma linguagem pelo duo.

Têm atuado no ambiente da música experimental levando sua sonoridade a diferentes públicos em festivais, apresentações em instituições e em espaços independentes.

Em 2016 foram convidados do Festival Glanular em Lisboa onde tocaram e gravaram com músicos locais. O segundo disco ‘Radio Diaspora 2’ esteve presente como um dos melhores lançamentos do gênero em 2017.

Somaram forças em 2018 com o rapper Bá Kimbuta, com o qual lançaram um disco que funde hip hop e free jazz, ao mesmo tempo em que editaram ‘RD3’, disco que presta tributo a grandes nomes do ativismo negro panafricano.

Em 2019 convidaram a cantora Paola Ribeiros, o pianista Luiz Viola e a celista Thayná Oliveira para uma experiência de improvisação livre em estúdio, o que rendeu o álbum ‘Cachaça!’ lançado em novembro de 2019. Também em 2019 assinaram a trilha sonora do longa metragem documental ‘Negro Em Mim’ dirigido por Macca Ramos, que estreou em 2020.

Em 2020 firmaram parceria com a Brava, com a qual já haviam trabalhado juntos em apresentações da produtora, e em 2021 lançaram ‘Negro Humor’ pelo selo.

A música segue sendo a arma, campo de força e núcleo pesado de representações e sentidos da luta contra violências físicas e simbólicas que a população negra enfrenta secularmente.

 

Romulo Alexis – Trompete, voz, flautas Indianas, instrumentos de sopro construídos, bases e eletrônicos.

Artista multimídia, músico improvisador e pesquisador de processos criativos de artes visuais e performance. Tendo iniciado sua carreira como vocalista, Romulo enveredou no trompete e na música de invenção à partir de 2008, já em profunda relação com o Free Jazz. Atua em projetos de performance, video-arte e trilhas sonoras para dança e cinema.

Wagner Ramos – Bateria, módulo de percussão eletrônica, bases, MPC e eletrônicos.

Desenvolveu-se na relação profunda com a música negra em todas as suas formas (Rap, Jazz, Soul, Samba) em sua carreira. Se apresentou por anos em bares e casas noturnas. Estudou e fez parte do Grupo de Repertório do Sesc Vila Mariana. Atuou com com os rappers “Jamal e a Máfia do Cabelo Duro”, “Bá Kimbuta e Banda Makomba” , tocando também com a cantora “Yzalu”, entre outros.